Última Publicação:

RELATO DO TESTEMUNHO… 

ENTRE O HOMEM E O ANIMAL


(Testimony... The man and the animal)
 
Um Okapi (Okapia Johnstoni/1901), fotografado em 2015
Não que seja essencial, não que reforce qualquer determinação que precise… Apenas, a vontade de deixar transcrito em palavras um sentimento, memórias e pensamentos, de uma história que marca uma parte da essência da minha personalidade como homem.

Nos meus momentos de introspecção ou reflexão sobre a minha vida, dou comigo muitas vezes a recuar no tempo, a revisitar ou a relembrar as motivações que certamente um dia, me levaram a desenvolver este sentimento especial pelos animais. Uma relação feita de afectos e emoções que até hoje, nunca consegui uma explicação cabal da sua razão primária, para que crescesse dentro de mim com o envolvimento e a dimensão que tem. É claro, que hoje e passados quase 55 anos desde as primeiras manifestações, não tenho dúvidas da importância magnânima que tudo isto teve e tem naquilo que sou como ser-humano. E sei-o, pelo simples facto, da influência que tem em mim nas circunstâncias mais naturais da vida… Se aqueles que amo são o pilar da razão da minha vida, se a natureza é o pomo da harmonia da minha relação com o mundo; os animais são sem dúvida o espírito e a tranquilidade que me fazem entender um pouco melhor a felicidade. Isto tem lógica? É razoável? Não sei, não tenho a resposta certa nem a pergunta explicada!

Um grifo (Gyps fulvus/1783) e
um Abutre-preto (Aegypius monachus/1766)
fotografados em 1983

Uma coisa parece óbvia… As situações que passo a transcrever, falam por si (pelo menos para mim)!
Sem que sejam momentos extraordinários, são invulgares a tudo o resto ao longo da minha vida…
Com poucos meses fui atirado do berço ao chão, pelo o “Bobby” o cão da família, que me cria cheirar e provavelmente lamber. Hoje, sou fascinado por tudo o que são canídeos (família Canidae, classificada em 1817, e que faz parte da ordem Canivora).

Ainda com dois anos, sei de relatos familiares, que falam da minha “loucura” quando me levavam a ver os “patos”, e da tristeza e choros que tinha quando me levavam embora. Até hoje, desenvolvi uma relação inexplicável, por todas as espécies de aves, principalmente, por esta especial família dos “Anatidae” (classificada em 1825). Um dos momentos que guardo nas minhas memórias enquanto criança, era quando o meu pai nos levava (a mim e aos meus irmãos) a passear na zona de Belém, em Lisboa, nos jardins adjacentes ao Mosteiro dos Jerónimos… Mas que para mim só tinha um ponto alto: era poder ver os casais de Cisnes-trombeteiros (Cygnus buccinator/1831) e os Cisnes-negros (Cygnus atratus/1790) que se encontravam nos lagos das estátuas de cavalos, e aí sim era o meu momento de maior felicidade.

Um Urso-branco ou Polar (Ursus maritimus/1774), fotografado em 1981.
Há 35 anos atrás quando tinha uns 20 anos.
Quando tinha cerca de 6 anos, ofereceram um pintainho, que estava em casa da minha avó materna. Era o primeiro animal inteiramente meu, ao qual eu podia dedicar este sentimento desconhecido para mim mas que era expresso na minha felicidade. Criei-o até ser um frango emplumado de penas castanhas. Lembro-me em memórias claras que continuam estranhamente presentes na minha cabeça. Um dia, na casa da minha avó, mandaram-me para dentro de casa e não me deixaram sair. Como qualquer criança, não entendi mas procurei na minha curiosidade ver o que se passava espreitando pelas janelas. O que vi, marcou-me até hoje e provavelmente até ao resto dos meus dias. Estavam a matar o meu “pintainho”… Assisti destroçado e em desespero. O resultado foi drástico (não conheço nenhum caso igual)… Deixei (e recusei desde essa altura) comer carne de qualquer ave. Mesmo com os meus pais a tentarem nunca conseguiram, o desfecho era sempre dramático com a minha reacção traumática. Hoje faz-me impressão ver talhos e corpos de animais expostos mas lido naturalmente com normalidade. Porém, ao longo dos tempos, esta postura foi-se desenvolvendo. Para além, das aves, deixei de comer caprinos ou ovinos, sempre que me apercebo evito qualquer outro animal que seja ainda uma cria e isto é para todo o género de animal. É estranho e provavelmente patético para a grande maioria das pessoas, mas para mim é estar bem comigo e em harmonia com o meu interior. Não tenho nem procuro explicações, vivo e aceito e desejo esta “normalidade”.

A foto não é minha, mas serve para ilustrar,
o que era o famoso passeio de elefante nos anos 60's.



Um Hipopotamo-comum fotografado em 1979.
Assisti neste momento ao nascimento da cria (Ricarda).
Desde que me lembro como pessoa, que visito o Jardim Zoológico de Lisboa praticamente todos os anos da minha vida. O meu pai era um visitante igualmente apaixonado e nos finais dos anos 60’s, um dia levou-nos a passear num Elefante-indiano (Elephas maximus indicus/1798; estatuto de conservação: EN-Em Perigo) e confesso que tive medo da grandeza do animal mas ao mesmo tempo senti a experiência incrível que era aquele momento. 
Depois, existia a “Huíla”, a fêmea Elefante-da-savana-africano (Loxodonta africana/1791, também com estatuto “VU-Vulnerável), que em troca de amendoins tocava 
uma sineta, nos finais dos anos 70’s… Este animal levou-me a tirar a fotografia mais arriscada que fiz até hoje. Os Zoos ainda são hoje o mais tranquilo dos lugares onde eu consigo estar; a paz e a serenidade que se enche dentro de mim é maior do que qualquer palavra, do que qualquer adjectivo ou explicação rebuscada. Basta-me estar ao pé de todas aquelas espécies.

"Huíla", a celebre fêmea Elefante-da-savana-africano,
que tocava a sineta em troca de amendoins
(em certo abuso sobre o animal).
Porém, tirei esta foto em 1979, com algum risco...
Pois saltei para o recinto e fiquei a poucos metros
deste enorme animal que vinha na minha direcção.

O meu pai, pode não ter sido a pessoa que mais me influenciou na minha devoção à vida selvagem, mas foi sem dúvida, aquele que me mostrou pela primeira vez o respeito e admiração que devemos ter pelos animais. Aprendi a ver os documentários na televisão a preto e branco com ele; e a seguirmos de forma imperdível a série “Daktari” na segunda metade dos anos 60’s, sobre uma clinica veterinária em plena savana africana, inspirada no trabalho de campo real feito pelo Dr. Harthoorn e a sua mulher em Nairóbi no Quénia. Ele orgulhava-se e brincava que tinha feito uma fotografia rara de um Lama (Lama glama/1758) com duas cabeças; na realidade, eram duas que de tão encostadas que estavam parecia uma só. Mesmo já fim da sua vida, era normal ele falar-me ao telefone de documentários de vida selvagem que tinha visto. Ele foi, isso sim, determinante, neste e em muitos aspectos da minha vida.


Órix ou Órix-do-cabo (Oryx gazella/1758),
ambos fotografados: a de cima em 2015, a de baixo 1981.
A foto a preto-e-branco mostra uma fêmea
minutos antes de dar a luz a cria. 

Na casa da minha avó materna onde passava as férias, grande parte das vezes sozinho (isto é, sem os meus irmãos e os meus pais), entretinha-me a “criar o meu mundo de biodiversidade” numa enorme gaveta de uma velha cómoda, coleccionando todo o tipo de insectos vivos e plantas e ramos… Esperando que eles ali habitassem naturalmente. A tristeza era sempre no dia seguinte quando a maioria deles desaparecia “misteriosamente”.

Um raro Canguru-de-Bennett albino(Macropus rufogriseus/1817).
Fotografado em 1992.

Adquiri a minha primeira enciclopédia comprada em fascículos (e que durou algum tempo a fazê-la) sobre vida selvagem… “Os Filhotes” (edição brasileira), quando tinha 12 anos. Ainda hoje guardo as minhas colecções de cromos de animais feitas talvez há 45 anos.

Contudo, esta influência directa começou com maior consciência numa colecção de livros juvenis que ainda hoje conservo e que li entre os meus 14 e os 16 anos: Os títulos começavam geralmente com: “Uma Aventura…”, e era sobre dois jovens irmãos naturalistas. Livros que contavam aventuras no reino animal ou no mundo natural.

Uma outra memória que me marcou já em meados dos anos 70’s, foi uma história comovente e emocionante, sobre o “Toy”, um cão “Fox-terrie” (cruzado entre pelo-liso e pelo-duro) que tivemos e que por vicissitudes da vida e das nossas mudanças tivemos que dá-lo a uma família que já tinha alguns cães. Mais tarde, soubemos que o casal se separou e os cães “desapareceram”. Anos mais tarde, uma manhã passeava eu com o meu pai nas arribas das “Azenhas-do-Mar” em Sintra, quando um cão de repente se enrola aos pés do meu pai e de seguida nos meus… Era o “Toy”! O meu saudoso pai, emocionado quase que chorou ou chorou sem que me apercebesse. Seguimo-lo na sua alegria saltitante até à sua nova residência e família, falámos com a dona que aparentemente o tratava bem, tentamos ainda convencê-la a nos dar o cão de volta, mas era injusto… Dava para ver que aquela era a sua nova família.

Chitas (Acinonyx jubatus/1775), fotografadas em 1992).
Este era o maior recinto gradeado para felinos.
E mostra como evolui em alguma coisa o respeito pelos animais mesmo em cativeiro.
Ainda na década de 70; surgem os meus primeiros trabalhos que envolvem a percepção animal e a constatação de factores que viriam a tornar-se relevantes para mim. Entre 75 e 76, escrevo os primeiros apontamentos detalhados sobre duas espécies: Chita (Acinonix Jubatus/1775) e o Leão (Panthera leo/1758). Os desenhos de suporte foram feitos por Miguel Reis, um amigo/irmão de longa data. Nesse mesmo período, no liceu, para efeitos de avaliação, construo em peças de montar em madeira, uma cria de Lobo (Canis lupus/1758); que acabou por se perder ao longo dos tempos. E é desta mesma altura, o primeiro desenho com cerca de 60 cm de comprimentos, de um Chimpazé-comum (claro, com significativas imperfeições técnicas que ainda hoje o tenho guardado) que esteve exposto no meu quarto até casar; paredes que chegaram a estar completamente forradas com imagens de animais.
Um Urso-dos-coqueiros ou Urso-malaio
(Helarctos malayanus/1821).
Esta é uma das fotos (em 1980) que tirei
que mais impressionou.
E que ainda hoje me leva a observar
ao pormenor todos os habitats em Zoos.

O nosso pequenino “Zoo” privado, começa nesta fase. O apartamento com quintal, a casa dos meus pais, transforma-se aos poucos num lar de animais. Cães, gatos, periquitos, canários, rolas, peixes, tartarugas, ratos brancos (laboratório), grilos, bichos-da-seda e já não me lembro se mais… Vão transformando a vida dos meus pais, caótica. Chegava a entrar com eles debaixo do casaco, para não ouvir da minha mãe os responsos do costume. Passado algum tempo, ainda continuaram comigo por muitos anos os periquitos durante várias gerações. Os gatos e os cães ainda hoje fazem parte da vida familiar.

Nesta altura, acontece-me uma outra história que vai definindo o perfil que me molda em termos daquilo que sinto pelos animais. Um dos periquitos fêmea começou a ficar debilitada, com o ventre demasiado dilatado. Levei-a a um veterinário do bairro, que para mim, com uma surpreendente condescendência, diz-me para a tapar bem tapadinha e deixá-la estar que não havia muito a fazer. Tinha um ovo atravessado. Levei dois dias a dar-lhe de comer no bico e a massajar o ventre com azeite e óleos amornados… Não me lembro se faltei às aulas, mas a verdade é que consegui que o ovo desse a volta e saísse. Viveu ainda uns bons anos.

Outro episódio curioso, mas igualmente estranho, aconteceu-me nestes anos. Um dia jogava a bola no quintal da casa dos meus pais e a bola caiu no quintal do vizinho. Desci para ir buscá-la. Quando estava atirá-la para o meu quintal, o proprietário apareceu. Tinha um cão, um grande cão… o “ Nicky”, um Pastor Alemão (ou cruzado) branco. Mandou-o atacar-me, e ele veio a correr na minha direcção. Quando se aproximou de mim, pôs-me as patas enormes no peito e começou… A lamber-me. Claro que, lhe fiz festas, depois saltei o muro calmamente e vim-me embora. O dono é que não deve ter acho muita graça. É verdade, que conversava com o cão muitas vezes, do alto do meu quintal para o dele; isto deve ter tido alguma influência.

O Lince-Ibérico (Lynx pardinus/1827).
Foto tirada em 2014, na única vez em 6 visitas
que consegui observar
um dos animais que mais marcou
a minha vida.
O meu pequeno envolvimento, ainda estudante, na celebre campanha “Salvem o Lince e a Serra da Malcata” em 1979; foi na altura uma curta realização pessoal, porém, extremamente importante no desenrolar da minha consciencialização do papel que pretendia neste campo para minha vida pessoal.


O destino tem desta coisas… Quis o destino, que durante o meu Serviço Militar Obrigatório no inicio de 1980, fosse parar a “Escola Prática de Serviço Veterinário Militar”, sem qualquer interferência da minha parte. Uma experiência que me fez desistir de uma hipotética carreira de médico-veterinário que me fora alimentada com muito carinho por um tio veterinário. Confrontei-me com provas que me confirmaram que não era esta a vertente para qual estava preparado, apesar da profissão nobre que é; pois conheci grandes homens na sua dedicação. Todavia, foi um contacto com uma realidade relevante neste percurso porque vi (participei uma ou outra vez) a entrega destes homens em salvar animais e nos seus processos de recuperação, tanto ao nível da saúde como comportamental. Acabou por me trazer aprendizagem, e por sua vez conhecimento sobre a vida animal.

O caminho acreditava que era outro…    

Chegam então as grandes influências da minha vida, e que vêm a determinar um sonho e um desejo interior: a protecção e a conservação das espécies…
Charles Darwin e a série “A Viagem de Charles Darwin” (1978), sobre a sua viagem abordo do “HMS Beagle”. Levou-me a comprar e a ler as suas principais obras.
Félix Rodríguez La Fuente; a série televisiva “O Homem e a Terra” (1974-1980) e a enciclopédia “A Fauna”, que adquiri com muito custo, passou a ser uma referência.
Jacques Cousteau com a sua série documental: “O Mundo Submarino” (1968-1976).
David Attenborough, para além dos livros, a série “ A Vida na Terra” (1979) seria a primeira de muitas que tenho seguido/gravado/comprado até hoje.
Desmond Morris com as suas obras e a série “O Animal Humano” de 1994.
Isto, sem esquecer a força que personalidades como Dian Fossey com os Gorilas-da-Montanha (Gorilla beringei beringei/1914), Jane Goodall e os Chimpazés (Pan troglodytes/1776), Barão Hugo van Lawick através dos Mabecos (Lycaon pictus/1820), Gerard Durrell e os Zoos. Todos eles tiveram em mim e na forma como olho a vida, as sociedades ou a espécie humana, (etologicamente assemelhando com o comportamento e a natureza animal) uma importância capital na minha própria natureza humana.

O destino é imprevisível! Depois dos cruzamentos com todos estes factos, o destino altera mais uma vez o meu caminho profissional, depois de já o ter feito diversas vezes… Propõem-me de novo uma experiência nova ligada à vida animal, e que me leva ao longo de 25 anos a trabalhar no universo da industria farmacêutica na saúde animal.

As últimas duas décadas desta dedicação foram também passadas a ver e a gravar centenas de horas sobre a vida selvagem (muitas delas ainda estou a converter em DVD). A recolher também os mais diversos artigos e documentos sobre espécies, sobre a natureza e a biodiversidade, zoologia ou botânica, antropologia e parques zoológicos.

Um Panda-vermelho (Ailurus fulgens/1825).
Fotografo em 2015
A fotografia de animais (infelizmente, só através de parques zoológicos) é uma continuidade há quase 40 anos. Mas não deixa de ser um prazer sempre emocionante registar cada imagem pensando exclusivamente na espécie, nos exemplares e no habitat em que se encontram… e tenho captado muitas reacções, muitas “emoções”, muitos estados de vida… O que me tornou uma pessoa mais atenta a tudo o que me rodeia; seja sobre a sociedade em geral ou no mundo em que vivo, seja a vivência ou adaptabilidade aos habitats onde os encontro… E isto, tornou-se no meu olhar sobre a vida.


O ano passado, numa das minhas frequentes idas anuais ao Zoo de Lisboa, para fazer os meus trabalhos fotográficos… Aproximei-me do vidro do recinto dos chimpanzés para ver se tinha sorte em algum momento particular. O macho alfa foi-se abeirando do vidro ao qual eu estava encostado, e sentou-se ao meu lado. Estivemos ali 15 a 20 minutos, olhando, interagindo com gestos curtos e serenos, quietos, mas sempre encostados ombro com ombro. Sem movimentos bruscos consegui uma foto evasiva, depois esqueci a fotografia… O momento era apenas para ser vivido tal e qual como estava.

Hoje me dia, a concepção deste blog há 3 anos é o culminar até à data, do melhor que consegui fazer até agora. Muito longe do que gostaria de ter feito, mas um pouco mais perto da realização pessoal do que me foi possível fazer ao longo destes anos na minha relação com o mundo animal. O facto de ter um espaço onde possa desenvolver qualquer actividade interventiva, educacional, de investigação e onde a comunicação se centre em torno da vida animal já representa para mim a concretização de uma parte do trabalho que sempre desejei. No fundo, é uma forma de expressar o meu papel na defesa de uma causa que consciente ou inconscientemente está dentro de mim desde que me conheço.


Um casal de Jaguares (Panthera onca/1758).
Fotografados em 1979.
Existe, aliás sempre existiu, uma empatia natural entre mim e os animais. Um dom sem rótulos, somente um entendimento mútuo e a procura de uma compreensão mais profunda sobre as nossas naturezas. Funciona simplesmente, pela afeição, pelos sentimentos, pela necessidade, pela partilha do que eles me dão e do que posso fazer por eles.
Os animais, e como eu… Não pedimos muito! Eles, apenas o respeito e compreensão, um pouco dedicação. Para mim, basta-me saber que estão bem, que me trazem alegria, e que têm a minha inteira devoção.


Sei que pode parecer uma opção de vida descabida para muita gente. Sinceramente, não me incomoda. Não peço a ninguém que compreenda ou que aceite. Não julgo nem crítico, deixo ao livre-arbítrio de cada um. É verdade, que também não permito criticas ou condenações, muito menos lições de “moral” ou teorias socio-comportamentais… Já sou velho o suficiente para ter a perfeita consciência e a minha lógica assimilada para acreditar nas escolhas que fiz e espero continuar a fazer. Os animais tem sido parte integrante no equilíbrio que me tem permitido fazer tudo o que fiz até agora tanto em termos pessoais como profissionais (estando presentes todos os dias na minha vida), pode até nem ser muito mas tem sido o bastante produtiva para que me sinta um homem no caminho da satisfação pessoal, se não plena fica já bem perto disso.



 as fotos não são minhas, mas são aqui simbólicas, para mostrarem duas das aves que fazem parte do testemunho que aqui deixo.






(nota: as fotos expostas neste artigo que foram feitas mim, estão identificadas com data.)
Sobre estas fotos (que levantam algumas questões importantes)...

  • O facto de tirar fotografias no Zoo de Lisboa há quase 40 anos, permitiu-me observar as melhorias adaptadas nos habitats (ou cercados) em que se encontram os animais em cativeiro, ao longo destas décadas (uma realidade mais visível, na última década e meia; e principalmente, graças às directivas europeias). 
  • Claro que, para qualquer defensor da causa animal, os animais presos ou condicionados num recinto, estão contra todas as leis naturais que defendemos... Contudo, esta condição, hoje muito mais do que no passado, deve-se à crueldade e irresponsabilidade do Homem, que para além disso, mostra uma forte ignorância sobre a condição e a existência humana. O futuro de muitas das espécies vai depender daquilo que vamos conseguir fazer na conservação "ex-situ"; isto ao ritmo com que as espécies se extinguem anualmente. 
  • Há quem discorde do sentido ou da necessidade pedagógica destes locais, ou de razão suficiente como argumento de conservação e preservação da fauna... Porém, a justificação existe e é cada vez mais pertinente. Mas isto, não invalida e exige inclusivé, um trabalho empenhado e absolutamente responsável, pelas condições dos habitats onde todas e qualquer espécie se encontram.  
  • Todavia, este é um assunto que irei desenvolver e abordar de forma mais profunda e com alguma regularidade, na rubrica "Dos Zoos aos Parques".

Sem comentários:

Enviar um comentário

AGRADECIMENTOS

Este Blog tem como finalidade a divulgação de uma mensagem que nos lembre a todos nós o quanto é possível fazer para defender seres que precisam da nossa protecção. Quer aceitemos quer não, somos os principais culpados por os animais sofrerem com o nosso comportamento.



Quero agradecer a todos aqueles que por razões diversas vejam fotos da sua autoria e ideias ou estudos dos quais as minhas investigações foram alvo e não se encontrem citados. Caso seja primordial essa referência para eventuais pessoas ou organizações que se sintam mais lesados desde já solicito essa indicação que de pronto farei as respectivas correcções que venham a ser solicitadas. Estes usos foram feitos sempre em nome de um alerta e de ajuda à divulgação de uma causa, por isso nunca com qualquer pretensão de apropriação, mas sim também para dar à mensagem mais consistência e valor nos temas visados.



Pesquisar neste blogue

O Último Reduto - "Nasci Para Ser Selvagem" Designed by Templateism.com Copyright © 2014

Imagens de temas por Nikada. Com tecnologia do Blogger.
Published By Gooyaabi Templates